quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Vestida como uma noiva... Jerusalém


 

Vestida como uma noiva... Jerusalém

 

Como há muito tempo não se via, nem se ouvia, nevou muito sobre Jerusalém. Bela e rendilhada veste de noiva com seus adereços e fímbrias brancas; como à espera do noivo no dia de suas núpcias.
 
 

Um véu de neve, cobria-lhe as faces morenas com seus brincos dourados e lábios rubros, como uma virgem cobiçada desde tempos imemoriais. Posso ouvir por entre suas nuances os clamores de Isaías que anunciam essas bodas eternas, como também escuto o arauto que anuncia de Patmos, João, que és a noiva descida do céu para desposar teu Criador, e que em ti já não haverá choro, nem lágrima, nem sofrimento, nem trevas, pois teu esposo será a tua luz e será a tua paz.

A mais importante das cidades do mundo, para onde convergem os povos, as orações, as esperanças, para onde a fé nesse Deus único atrai o olhar e o coração da humanidade, está vestida de noiva. A cidade do Rei, a cidade de Davi. A cidade da nação judaica.

Jerusalém, Cidade da Paz, Sião, Lareira de Deus, Cidade de Justiça, Santa Cidade, Cidade do grande Rei, Cidade de Davi. Quantos nomes te são evocados, quão preciosa és!
 
 

Misteriosa noiva, a qual vive e habita nos corações de todos os teus filhos e filhas, que espalhados pelo mundo como grãos de areia nas praias longínquas, gemem de saudade de ti, esperando a cada ano, pelo menos uma vez, estar na tua casa. Filhos e filhas que mesmo distantes, te levam no coração e te habitam, sempre, em cada oração silenciosa, em cada celebração, em cada ensinamento.
 
 

Noiva de Deus, que está incrita definitivamente na sua mão direita, Ele que conta cada uma de tuas lágrimas e cada um de teus sorrisos, reveste-te pois de paz, e ensina ao mundo a convivência fraterna entre povos, especialmente àqueles que adoram o mesmo Deus de Abrahão, Isaac e Jacó, do profeta Maomé, de Maria e de José.
 
 

Yerushaláyim, em teus mais de 6.000 anos, tentaram te destruir duas vezes, sitiaram-te 23 vezes, atacaram-te 52 vezes, foste capturada e recapturada 44 vezes, e enquanto o tempo passa e fenecem as obras humanas, tu brilhas acima dos montes da Judeia e iluminas a fé dos povos.
 
 

Como uma noiva graciosa, recebe de braços abertos nas tuas muitas moradas, a todos que te admiram, teus visitantes para as festas das bodas eternas, recebe-os com carinho e alegria, a todos que oram por ti, na paz, na harmonia, na convivência humana fraterna.

Shalom!

 

Assuero Gomes

Médico e escritor


 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário