sábado, 3 de maio de 2014

Precipício





Precipício


                                                        Escultura de Salvador Dalí, em Barcelona

Quando fores fazer um precipício é importante lembrares de alguns detalhes. Presta bem atenção pois podes por tudo a perder e ao final teu precipício ser tão pequeno que nem teu pé caberia dentro dele.
Lembra de que deves começar a cavar aos poucos, retirando pequenas porções de terra de cada vez, remover pedras e colocá-las ao teu redor para que ninguém te perturbe. Criar um precipício é um trabalho que requer muita paciência e isolamento. Não se consegue um precipício sem esforço solitário, dedicação e abnegação. Dia e noite, quer chova ou faça sol, ignora as pessoas ao teu redor, pois elas certamente atrapalhariam teu desiderato. Quanto mais isolado de tudo e de todos, mais chance terás de atingir teu objetivo.
É bom também tapares teus ouvidos hermeticamente para que não escutes e se puderes põe uma viseira lateral nos teus olhos para que não vejas ao teu redor. Pensar é o ato mais solitário do ser humano,no entanto é o que o torna diferente do existir dos outros seres. Pensar é um ato absoluto, solitário e paradoxalmente o ato de maior liberdade a que se pode chegar nessa vida.
Cavar um precipício é um ato solitário, porém não libertário, pois ele aprisiona a quem o pratica ao próprio precipício.
Quando cavares o precipício lembra-te do abismo. Nem todo precipício se torna um abismo, mas todo abismo já é por si só um precipício. Cuida para cavar continuamente e cada vez mais profundo. Escolhe com cuidado um terreno seco e pedregoso, de preferência com pedras pontiagudas. Fica atento para que não surja água no teu labor, pois a água estraga um precipício, uma vez que faz flutuar e quem sabe, se for muita, transbordar. A água é luz. Cava teu precipicio no escuro, tão escuro quanto possas, de tal forma que não vejas nem deixes ninguém ver. Um precipício digno desse nome há de ser profundo, pedregoso, árido, escuro, íngreme, e largo, muito largo. O precipício ideal torna-se um abismo, onde tu irás e levarás àqueles que por acaso ainda estejam ao teu derredor. Um precipício é fiel ao dono, pois lho segue aonde for, sempre.
Para se cavar um grande precipício há de se cavar com as próprias mãos, com o sangue misturando à areia o próprio suor das noites acordadas no escuro de sua existência. Quando teus dedos já não forem mais como dedos, teus olhos já suarem lágrimas, teus sonhos sepultados ali na argamassa da terra revolvida e não houver mais esperança, quando tudo isso estiver posto no antibanquete da mesa do precipício, para um pouco. Para porque ele está quase pronto. Há um ponto em quem constrói precipícios, nessa engenharia maldita, que não há mais retorno. Um ponto crucial.
Acaso ao terminares a tua labuta e vendo teu trabalho concluído, e sentires medo do que tu mesmo cavaste, procura alguém que pode estar perto de ti, suave e silencioso como uma aranha. Pode acontecer que te ofereça um fio, um pequeno fio como de seda. Aceita pois, pode ser tua única maneira de ultrapassar teu precipício.

Assuero Gomes


Nenhum comentário:

Postar um comentário