sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A festa dos desesperados II

A festa dos desesperados II

E o bolero, ao som deste a festa vai desenrolando. A polícia cerca já com algemas nas mãos, quer adentrar no recinto. A cantora rouca e desafinada tenta alçar a voz, não consegue. A orquestra latina ensaia uma quadrilha junina, o chefe, já não se aguentando de pé, solta impropérios.
Fingem que cantam, que se divertem, que são felizes. A luz vermelha piscando nos olhos confundem as mentes bêbadas, ora pensam que é a sirene do camburão, ou da ambulância ou da gang mesmo.
A cachaça e o rum já nem embriagam mais, as 'meninas' já não dançam nem encantam, uma festa de fim de feira.
Dali sairão para onde?

Nenhum comentário:

Postar um comentário