quinta-feira, 28 de março de 2013

Padre João Pubben, Afscheid van Vader Johannes Pubben

Afscheid van Vader Johannes Pubben

 









 
 
 
 
Padre João Pubben

 

Quando jovem, muito jovem ainda, Jesus através de Vicente de Paulo perguntou ao padre   recém ordenado, na Holanda, por três vezes: “João, tu me amas?” – Sim senhor, tu sabes que eu te amo! Por três vezes seguidas ele respondeu calmamente. Em seguida o mesmo Vicente disse: cuida dos meus pobres.

Fazendo o caminho dos mares aportou no Nordeste do Brasil. Aqui em Recife encontrando com o pastor profeta Helder Camara, foi enviado para a comunidade de Dois Unidos, Passarinho e Alto da Esperança, juntamente com a Irmã Priscila. Faz quarenta e cinco anos essa travessia.

Cuidou com afinco e dedicação dos pobres que lhe foram recomendados, deu-lhes escola, formação cristã e humanística. Ensinou-os a dignidade de ser pessoa filho ou filha de Deus. Construiu vidas e vidas interligadas no amor e no serviço fraterno, no respeito às diferenças e na convivência construtiva de fraternidades múltiplas, em serviços e pastorais dessas comunidades.

Deu testemunho de uma vida pobre entre os pobres, de uma frugalidade extrema e evangélica. Durante longos dezenove anos serviu também ao Dom, assistindo-o diariamente em celebrações e cuidados.

Celebrou continuamente uma única eucaristia mística com seus pobres, com D. Helder e com os que vivem o chão da Igreja das Fronteiras, e continuará celebrando, mesmo em futuro tempo.

Sofreu e foi feliz, chorou e sorriu, construiu pontes e laços, alguns nós dentre nós. Foi fiel à missão, honrou a túnica e a estola do serviço entre o sofrimento do povo e o silêncio de Deus. Viveu a mística de Vicente e Luísa no limite, às vezes ultrapassando-o, do suportável e dou testemunho de sua dedicação e testemunho na própria pele e pulmões, no coração e ossos.

Como o Dom e como Vicente incomodou estruturas estabelecidas e enraizadas e engessadas.

Vicente agora retomou-lhe o diálogo:  “João tu me amas?” - Sim tu sabes que eu te amo! Por três vezes a mesma pergunta e a mesma resposta sem hesitação. “Quando tu eras jovem, tu te vestias e ias aonde querias, no entanto é chegada a hora em que vais te vestir e voltarás para de onde vieste”.

Quarenta e cinco anos de mar profundo no mistério de um Deus que se apresenta na necessidade do pobre e num pedaço de pão, quarenta e cinco anos de dias imersos numa espiritualidade de mãos calejadas e pés cansados, quarenta e cinco anos de navegar ali na poeira da poeira onde os pés dos pobres caminham e sangram... Volta para a Holanda, deixando sua juventude, sua saúde, seu coração, seus amores e amizades, seus admiradores e especialmente sua gente, a qual ensinou a dignidade de ser humano.

Parta com o coração da gente e a sensação de ter feito mais que o impossível por todos nós...

 

Assuero Gomes

Cristão católico leigo da Arquidiocese de Olinda e Recife


 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário